Preço do frete da soja dispara com início do escoamento da safra

Os preços dos fretes rodoviários dispararam nos últimos dias em importantes regiões agrícolas do país com o começo do escoamento da nova safra de soja. Levantamento da consultoria Informa Economics FNP registrou aumento de 53% no período de menos de um mês no frete entre Cascavel (PR) e o Porto de Paranaguá e de 27% entre Rondonópolis (MT) e o Porto de Santos (SP). Já se começa a sentir o efeito da procura por soja nas zonas portuárias brasileiras. Já tem uma programação de navios de 5 milhões de toneladas para a soja, 2 milhões para farelo, disse o analista da FNP, Aedson Pereira, em entrevista à Reuters. A corretora Centrogrãos, de Cuiabá, que monitora os preços de fretes no país, estima atualmente o frete entre Sorriso maior município produtor de soja de Mato Grosso e o porto de Santos em R$ 288 por tonelada. No entanto, os valores podem subir para até R$ 320 por tonelada no pico da safra, alerta o diretor da corretora, João Birkhan. Agora tem que protocolar a chegada em Santos, é tudo complicado. O mesmo caminhão faz menos viagens por mês, mas o caminhoneiro continua com a mesma prestação de financiamento, disse ele. Numa tentativa de evitar os congestionamentos e as confusões registrados no pico do escoamento da safra passada no Porto de Santos, autoridades paulistas estão exigindo este ano um agendamento dos caminhões que forem descarregar nos terminais, num processo semelhante ao implantado uma década atrás em Paranaguá.

O Brasil começou a colheita de uma safra recorde de grãos. Só de soja, o país terá que movimentar para portos e indústrias este ano um volume 10% maior, chegando perto de 90 milhões de toneladas. A colheita em Mato Grosso e no Paraná os dois maiores Estados produtores já atinge cerca de 10% da área plantada, segundo órgãos de pesquisa locais. Vai aumentar o frete, porque com o avanço da colheita vai faltar caminhão, disse Julio Cesar Braz Martins, gerente de uma transportadora de Sapezal (MT).

Na avaliação de Pereira, da FNP, as empresas compradoras já incluíram os patamares mais altos dos fretes nas negociações antecipadas de soja. Não foi surpresa, porque já tinha havido um cenário muito complicado em 2013. Já estava tudo precificado, disse.

Na temporada passada, as tradings exportadoras de grãos no país amargaram prejuízo da ordem de US$ 2,5 bilhões por terem sido pegas de surpresa por uma disparada nos preços de frete, após a entrada em vigor de uma legislação que restringiu os horários de trabalho dos caminhoneiros. A precificação de um frete mais caro implica, em geral, no pagamento de um valor menor pelo produto ao agricultor.